february 2021 • The Lancet

Antibody response to first BNT162b2 dose in previously SARS-CoV-2-infected individuals

Manisty C., et al.

DOI: 10.1016/S0140-6736(21)00501-8

Content curated by:David Rodrigues

Key message

Estes resultados apontam para que em pessoas com infecção prévia por SARS-CoV-2 uma dose de vacina origina níveis de anticorpos tão ou mais elevados que duas doses em pessoas sem infecção prévia. O desenho do estudo não permite concluir equivalência entre os dois esquemas em outcomes clínicos.

Analysis

Population

Profissionais de saúde vacinados para a covid-19 em hospital de Londres

Method

Caso-controlo; Profissionais de saúde em Londres que realizaram PCR semanal e teste sorológico quantitativo desde 23 de março de 2020 e por 16 semanas em diante. 24 de 51 HCWs tinham infecção por SARS-CoV-2 leve ou assintomática prévia confirmada em laboratório enquanto 27 HCWs permaneceram seronegativos. Uma mediana de 12,5 pontos de tempo de amostragem por participante permitiu a identificação de títulos de anticorpos de pico em indivíduos soropositivos, evitando falsos negativos. Todos os participantes receberam sua primeira dose da vacina BNT162b2 mRNA COVID-19 (Pfizer-BioNTech) e foram testados 19-29 dias depois (mediana de 22 dias, IQR).

Results

Entre os indivíduos previamente não infectados e soronegativos, os títulos de anti-S após uma dose de vacina foram comparáveis aos títulos de pico de anti-S em indivíduos com uma infecção natural anterior que ainda não haviam sido vacinados. Entre aqueles com infecção anterior por SARS-CoV-2, a vacinação aumentou os títulos anti-S em mais de 140 vezes dos níveis máximos pré-vacina. Este aumento parece ser pelo menos uma ordem de magnitude maior do que o relatado após uma estratégia de vacina primária-reforço convencional em indivíduos não infectados anteriormente.

Abstract

Rapid vaccine-induced population immunity is a key global strategy to control COVID-19. Vaccination programmes must maximise early impact, particularly with accelerated spread of new variants.1 Most vaccine platforms use a two-dose prime-boost approach to generate an immune response against the virus S1 spike protein, the titres of which correlate with functional virus neutralisation and increase with boosting.2, 3 To enable larger numbers of people to receive the first dose, delayed administration of the second dose has been advocated and implemented by some.1 The impact of previous SARS-CoV-2 infection on the need for boosting is not known...